Sofia Ribeiro confiante no futuro da Agricultura Biológica para as RUP

A Eurodeputada Sofia Ribeiro alertou esta quarta-feira, 18 de abril, que preferir produtos biológicos nem sempre é a escolha mais saudável. A Social-democrata falava num debate sobre a produção biológica e rotulagem dos produtos biológicos, na Sessão Plenária de Estrasburgo.

Sofia Ribeiro começou por afirmar que a revisão deste regulamento em discussão “confere alguma evolução ao setor, no sentido da sua modernização e harmonização europeia das práticas da agricultura biológica”.

A aceitação do sal marinho e das rolhas de cortiça natural é uma boa notícia para Portugal − mas muito há a fazer”, realçou Sofia Ribeiro. A Eurodeputada frisou que “apesar dos cidadãos europeus cada vez mais exigirem elementos seguros, não podemos sempre inferir que apenas o que é biológico é que é saudável”, garantido mesmo que “estudos recentes detetaram mais resíduos químicos no biológico do que no convencional”, dando nota da necessidade de correção de tais situações.

Há que aumentar os controlos por parte das autoridades competentes”, defendeu a Deputada Açoriana, enumerando dois desafios adicionais. O primeiro “quanto ao período de transição para o biológico, demasiado longo no caso das estufas” e o segundo relativo à necessidade de “se definir um valor-limite comum europeu sobre a presença de substâncias não autorizadas” o que poderá ser sempre um impedimento “à livre circulação dos produtos biológicos dentro da União”.

A concluir a sua intervenção, a Eurodeputada defendeu “o reforço das ações formativas sobre a agricultura biológica”, “destacando a enorme importância deste novo regulamento para a produção agrícola nas Regiões ultraperiféricas, que como sabemos já é [uma produção] sustentável e biológica”. “Agora teremos que trabalhar na sua certificação”, finalizou Sofia Ribeiro.