Sofia Ribeiro: “A Estratégia para a Juventude não pode reduzir-se a um mecanismo de assistencialismo social”