Notícias

23-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 9

A exploração agrícola tem crescido nos Açores desde que se marcou a integração europeia. O efetivo bovino aumentou de 183 mil (1986) para 273 mil (2016). Das vacas leiteiras, rentabilizou-se a produção de leite, por via de melhores práticas, melhoramento genético e a mais adequados métodos de produção – potenciados pelos fundos europeus. De 215 milhões de litros (1986) para 611 milhões, a produção de leite aumentou significativamente.

22-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 8

A convicção popular “haja saúde” requer uma rede de serviços eficaz e próxima dos cidadãos – vezes nove, para que chegue a todos. Os fundos da União Europeia permitiram uma renovada rede de cuidados à população, mais e melhores infraestruturas, a fixação de especialistas em várias áreas da Medicina e a diminuição das necessidades de deslocação ao Continente para acesso aos serviços de saúde

21-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 7

Hoje o tema da eficiência energética é de extrema importância. Temos visto nos Açores vários investimentos essenciais: em 2017, 37% da energia produzida nos Açores tinha origem em fontes renováveis. O objetivo é de 67% em 2025. A União Europeia incentiva, apoia e cofinancia esses investimentos, com vista à descarbonização da economia (um dos grandes objetivos dos fundos até 2020).

20-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 6

Entre 1986 e 2016, o PIB açoriano variou imenso – cresceu 11 vezes. O que não variou assim tanto foi a população açoriana, não muito distante das 240 mil pessoas. O rácio entre a riqueza produzida pela população da região leva-nos ao chamado PIB per capita, que é das principais medidas de desenvolvimento de um país e dá claros sinais das condições de vida e poder de compra dos cidadãos. Em 1986 o PIB per capita era de cerca de €1.443; hoje rondamos os €16.000.

19-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 5

De manhã cedo vemo-los de mochilas às costas. Vão de passo apressado para um dia de aulas que está prestes a começar. Longe vão os tempos em que um em cada cinco Açorianos não sabia ler nem escrever e via a sua vida limitada. Os últimos censos indicam que o analfabetismo na região ronda os 4,7%, aquém da média nacional (de 5,2%).

18-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 4

A garra de quem se levanta depois de um terramoto e reconstrói do zero deve ter influenciado a génese açoriana para se lançar ao novo e tentar – empreender. É verdade que ainda estamos longe de sermos pioneiros em muitas áreas, mas os investimentos têm ajudado empresas e empreendedores a arriscar e concretizar ideias de negócio que, invariavelmente, serão os empregos do amanhã e o tecido empresarial do futuro.

17-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 3

Não são só os turistas a chegar cada vez mais à região, somos também nós a viajar cada vez mais. Integrarmos a União Europeia, dá-nos a liberdade de viajarmos para onde quisermos no espaço europeu sem qualquer barreira ou passaporte. Ir da Graciosa às Flores é tão fácil (logisticamente falando) como ir da Graciosa a Berlim, Milão ou Barcelona. Não interessa se é de avião, comboio, autocarro, carro (bicicleta para os mais aventureiros; a correr para os desportistas) – não existem fronteiras.

16-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 2

Nascemos a olhar o mar – o que nos separa da linha do horizonte lá longe e que partilha connosco o tempo. A posição geoestratégica dos Açores, a meio Atlântico, dá-nos o maior território marítimo da União Europeia. A Zona Económica Exclusiva (ZEE) açoriana tem cerca de 1 milhão de quilómetros quadrados (que é como quem diz 428 arquipélagos dos Açores – em área).

15-05-2019

#MaisEuropaNosAçores \ Razão 1

Quando esta história começou – lá em 1986 – habitavam nos Açores 240 mil pessoas (não muito diferente do número que somos hoje), que produziam cerca de €348 milhões numa economia frágil e fechada. Havia potencial; havia oportunidades; faltava o investimento. A integração na União Europeia ajudou-nos neste último ponto, abrindo-nos horizontes e ajudando-nos a crescer. O PIB açoriano registou em 2016 cerca de €3.927 milhões, mais de 11 vezes o que gerávamos antes de integrarmos a União.

14-05-2019

#MaisEuropaNosAçores

Em 1986 Portugal aderiu à União Europeia. Integramos uma nova realidade que nos haveria de catapultar no nosso desenvolvimento social e económico. Os Açores sempre estiveram na cauda do desenvolvimento nacional e com os piores indicadores em quase todas as áreas. Havia muito a ser feito.